Arquivo por Autor

Antes de mais nada, uma trilhazinha sonora, que não poderia faltar num post desse naipe. Espere carregar e continue lendo.

(mais…)

As internerds são um esgoto. Fato.

Tem muita merda circulando por ela, e mesmo os mais entendidos não conhecem nem a metade de tudo. O mais interessante é que de toda essa merda surgem coisas bem criativas (na maioria das vezes inúteis), os chamados memes.

Pra quem (ainda) não sabe, memes são a unidade fundamental das idéias, facilmente propagável de mente em mente, ou locais de armazenamento de informação. São muitas vezes comparados aos genes, da genética.

Muitas vezes, os memes são levados à Internet, multiplicam-se entre os usuários via fóruns, IM messengers, blogs, *chans, e tais buracos, em forma de imagens e vídeos. Memes brasileiros incluem “E o Bambu?”, Jeremias, “Fala, Sônia”, Lindomar (O Sub-Zero Brasileiro), “Sanduíche-iche”, e o Pedro do Chip.

Pessoalmente, acho os memes gringos mais criativos…

Quanto ao meme de hoje, você se lembra do filme 300? Esse meme pode ser velho, mas continua minimamente engraçado.

Relembrar é viver.

por Titio Pentelho.

Hooegerr… Hoggerb… “Hoogueroquê?”

Hoogerbrugge. Pronuncie Ruguerbrugue. E é Han (como em “rã”), não Hans.

"Hoogerbrugge. É. Deve ser assim que escreve meu nome..."

(mais…)

Um grupo de estudantes de publicidade da UNISAL que decidiram deixar sua marca no curso e nos professores, com o ânimo e a pretensão de apresentar os melhores, mais inusitados e criativos projetos já vistos.

Voadora no peito. Com os dois pés. (mais…)

Como de praxe, coloco algo relacionado ao post pra você ir escutando enquanto lê…

(mais…)

Antes de qualquer coisa, deixe carregar esse vídeo. Só volte pra ler quando puder deixar a música rolando sem interrupções.

16 de maio de 2009. A última passagem de Dio por São Paulo. Última noite de show. Um show do caralho. (mais…)

Peço licença para o Tittão. Vou falar de música do caralho.

Os Sulistas norte-americanos sempre foram conhecidos como rebels. A cultura sulista se diferenciou  da do norte, e criou-se um estilo muito foda, principalmente na música. Surgiu o Delta Blues e o Country, que deram origem ao Rock. Daí saíram figuronas como Howlin’ Wolf, Booker White, Memphis Slim, Muddy Waters, David Allan Coe, Zakk Wylde e Dimebag Darrel.

Os Rebels… Um povo memorável.

Imagine o que aconteceria ao juntar dois produtos dessa cultura, de certo modo diferentes. Imagine juntar o Metal e o Country, mais especificamente o Pantera e o cantor de Outlaw David Allan Coe. Daí surgiu o Rebel Meets Rebel.

Foi um projeto paralelo que surgiu originalmente com a intenção de ser um dueto entre David Allan Coe e Phil Anselmo, mas virou um projeto paralelo entre Dimebag Darrel, Vinnie Paul, Rex Brown e David Allan Coe.

É um Thrash Country com letras que falam de mulher, poker e jogos, cerveja e uísque, máquinas potentes pegando a estrada. Tudo isso em ritmo de blues e country com a pegada do Pantera e a voz de velho cabeludo do David Allan Coe.

O projeto só rendeu um álbum homônimo, com 12 faixas, que foi gravado quando ninguém estava trabalhando em seu respectivo projeto original (o Pantera esteve em certos momentos em turnê, com o disco Reinventing the Steel) e só foi lançado em 2006, 2 anos depois da morte do Dimebag, sob a label do Vinnie Paul, a Big Vin Records.

O único álbum do Rebel Meets Rebel.

O negócio é curtir esse disco do caralho que muita gente ainda não conhece.

por Titio.